19/01/2012

Qual o significado de Judas 1:9?


                Antes de procurar entender o versículo 9 especificamente precisamos analisar o contexto da carta de Judas e compreender quem era esse homem, para quem ele escrevia e porque o fez.
                Judas era um dos irmãos do Senhor Jesus Cristo (assim como o bispo de Jerusalém, autor da epistola de Tiago). Ele não era o Judas que traiu o Senhor (Judas Iscariotes), e nem o outro Judas (chamado Tadeu).
                O Manual do Aluno do Seminário do Curso do Novo Testamento diz que Judas "conhecia bem o Velho Testamento e utilizava suas histórias e exemplos para ensinar lições importantes." Lá é explicado também que "Judas estava preocupado com os perigos da apostasia, que estava aumentando pouco a pouco entre as pessoas a quem escreveu. Algumas não estavam alertas ao perigo que o câncer das doutrinas falsas que lhes estavam sendo ensinadas representavam." (pág. 163)
                No primeiro versículo notamos que Judas dirige sua carta aos "chamados" santificados. Então é uma carta para membros da Igreja, pessoas que conheciam muito bem as escrituras sagradas. Judas escreve porque percebe a necessidade de exortar os santos a "batalhar pela fé", pois, como ele mesmo explica se introduziram entre os santos "homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus". Ele então passa a dar vários exemplos sobre pessoas que referem as trevas.
                Primeiro Judas cita a história do Êxodo da Antiga Israel; depois fala sobre os "anjos que não guardaram o seu principado" - que são os filhos da perdição - os espíritos que, na vida pré-mortal, decidiram seguir Lúcifer e, consequentemente, tornaram-se demônios. O terceiro exemplo é Sodoma e Gomorra.
                Nos três exemplos houve consequências terríveis. Deus "destruiu" os infiéis israelitas. Quanto aos anjos do mal foi-lhes reservada "escuridão" e "prisões eternas". E para os habitantes de Sodoma e Gomorra a pena foi "fogo eterno".
                Então Judas diz: "Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele, mas disse: o Senhor te repreenda".
              Judas prossegue com seus exemplos, citando Caim, Balaão e Coré - dizendo que muitos seguem as obras desses homens iníquos. Então ele exorta os santos a lembrarem-se que tamanha iniquidade havia sido profetizado dês dos primórdios e até pelos próprios líderes atuais da Igreja. Finalmente Judas aconselha, nos versículos 20-25, a perseverança dos santos - prometendo que o Senhor é poderoso para salvar, purificar e nos encher da alegria.
                Agora que temos uma visão geral do livro de Judas voltemos ao versículo nove. O Manual do Instituto de Religião do Curso do Novo Testamento explica: "Os comentaristas da Bíblia presumem que este incidente de fato aconteceu, e que Judas o conhecia e estava citando esse evento de um livro, agora apócrifo, que existia em sua época, intitulado "A Ascenção de Moisés", que chegou até nós somente de forma fragmentária. Essa obra não-canônica apresenta a doutrina de que Moisés foi transladado e subiu aos céus sem provar a morte. Esses escritos parecem tratar de "certas revelações feitas por Moisés" e do seu "desaparecimento numa nuvem, de modo que sua morte foi oculta da vista humana (...) Miguel foi comissionado a enterrar Moisés. Satanás se opôs, pro dois motivos: (1) porque ele era o senhor da matéria e por isso tinha o direito de que o corpo fosse entregue a ele; (2) porque Moisés era um criminoso, tendo assassinado o egípcio. Após refutar as acusações do diabo, Moisés acusou Satanás de haver instigado a serpente a tentar Eva. Finalmente, depois de vencer toda oposição, a ascensão de Moisés ocorreu na presença de Josué e Calebe." (pg. 485).
                A seguir o Manual esclarece que esse relato saiu de um livro apócrifo - e por isso não deve ter o mesmo credito que as obras-padrão (GEE “Apócrifo”. Além disso, o manual do seminário chama o versículo nove de "parábola"  dando um status de "uma história simples usada para ilustrar ou ensinar uma verdade ou princípio espiritual" (GEE "Parábola").
            A Bíblia em inglês, espanhol e as diversas versões em português não alteram substancialmente esses versículo.

            Mas afastando, por um momento, a informação apócrifa e focando apenas no texto das obras-padrão que possuímos, teríamos que nos perguntar: quando Moisés contendeu com o diabo? E quando o diabo disputou com Miguel a respeito do corpo de Moisés?
               1- O primeiro evento que se encaixa ocorreu na vida pré-mortal: "E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e seus anjos; mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada Diabo, e Satanás, que engana todo mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele." (Apocalipse 12:7-9)
                Satanás e seus anjos lutaram contra Miguel. A causa de Miguel era a causa de Cristo - permitir que o Plano do Pai fosse aplicado - que ganhássemos um corpo de carne e ossos e pudéssemos provar-nos dignos de um corpo exaltado ao lado do Pai. A esses espíritos maus foi negado o direito de nascer e ter um corpo físico.
            Assim Miguel lutou pelo direito de Moisés nascer e ganhar um corpo, e ter a oportunidade de um dia possuir um tabernáculo exaltado, como o Pai Celestial. Ele também lutou por nós, para recebermos as mesmas dádivas. Ai esta um dos motivos pelos quais nosso pai Adão, o Ancião de Dias, o arcanjo Miguel, é nosso príncipe, líder e pai.
            2- Mas há outras ocasiões onde Moisés enfrentou Satanás. A Pérola de Grande Valor, por exemplo, menciona uma ocasião interessante em que Satanás procurou destruir a alma de Moisés. (Moisés 1:12-22). Nesse caso, porém, não há menção de uma ajuda direta de Miguel – nem de qualquer anjo. É dito simplesmente que Moisés “recebeu forças” (v. 21).
           
            A terceira hipótese refere-se à transladação de Moisés, mas precisa ser unificada ao texto apócrifo para explicar Judas 1:6.
3- Sabemos que Moisés não provou a morte, embora a Bíblia diga, por equivoco das traduções, que ele tenha morrido (Deuteronômios 34:5-7). Moisés foi ”sepultado pela mão do Senhor”, ou em outras palavras, “as escrituras (...) dizem que o Senhor levou Moisés para junto de si” (Alma 45:19). O Guia de Estudo Para as Escrituras explica que seres transladados são “pessoas que são transformadas, de modo que não experimentam a dor nem a morte até o momento de sua ressurreição para a imortalidade.” E acrescenta no rol de referências Deuteronômios 34:5–6 e Alma 45:19  (GEE “Seres Transladados”) – nos mostrando que Moisés foi transladado.
            Assim Moisés, quando estava prestes a morrer, teve que enfrentar o demônio uma última vez. Com ajuda celestial venceu os argumentos diabólicos e foi levado por uma “carruagem de fogo”, como Elias – sendo arrebatado e transladado. Mas esses detalhes, insisto, não são explicados se não pelo texto apócrifo.

            Portanto, concluindo, não sabemos exatamente sobre qual evento da vida de Moisés Judas esta se referindo. É verdade que estamos mais inclinados a considerar a terceira hipótese como verdadeira – por ter sido citada pelo Élder Bruce R. McConkie em seus escritos. Também não sabemos se se trata de uma parábola fictícia ou uma história real. Pessoalmente estou mais inclinado a considerar a história como uma parábola fictícia – semelhante à conversa de Deus com o diabo no livro de Jó (Jó 1:6-12).

            Apesar de nossa aparente conclusão cinzenta e infrutífera, podemos tirar importantes lições do versículo 9 de Judas – que dão, inclusive, significado a passagem:
1.       Miguel é um arcanjo (anjo de destaque com grande autoridade)
2.       Miguel e o diabo são antagônicos - e lutaram (contenderam, discutiram ou disputavam – dependendo da tradução) pelo corpo (ou pelo direito ao corpo) de Moisés. O mesmo pode, por analogia, ser dito sobre nós – eles lutam por nossas almas (corpo + espírito, D&C 88:15-16) – exercendo sua influência poderosa sobre nós.
3.       Satanás deseja nosso corpo e esta disposto a empregar seus (maiores) esforços para possuir-nos
4.       Miguel poderia pronunciar juízo ou maldição sobre Satanás, mas não o fez.
5.       Miguel deixou o julgamento e condenação do diabo para o Senhor.
6.       Será permitido a Satanás (e seus servos) disputar por nós até o tempo em que o Senhor o (os) repreenda.

        Enfim, Judas esta dizendo, é mais ou menos isso: “Irmãos, há muita iniquidade entre vocês – essas coisas são assim dês de antes da criação do mundo. Caim, os sodomitas e os antigos israelitas – todos pecaram. Não façam o mesmo. Admoesto-vos a não fazerem o mesmo. Todas as tentações e provações tem um propósito. Tudo isso foi profetizado. Mesmo Miguel não impediu Satanás de infligir seus ataques contra Moisés. Vocês também não serão poupados das tentações. Mas, por favor, não cedam ao diabo. Não façam o mesmo que Caim, Coré e Balaão – porque o Senhor vai voltar – vai voltar uma Segunda vez – e dessa vez em glória. Mantenham-se no amor de Deus e ajudem o seu próximo a fazerem o mesmo. Se fizerem isso eu prometo, que o Deus sábio, Salvador nosso, vai apresenta-los irrepressíveis, com alegria, perante a sua glória.”

Nenhum comentário: